sábado, 4 de junho de 2011

agarro entre os dentes minhas feridas
partidas

não sabes que me feres quando te feres e tua úlcera é minha ânsia que renasce a cada não morto em tua boca?

em vão confessam
meus murros tristes
de voz.