quinta-feira, 31 de março de 2011

Ah, não me fites,
que das ausências sou farta.
Prefiro o ar que nos separa
à umidez da tua boca.

Dá-me a distância
que a recorto, mastigo, faço abrigo
destas noites ainda quentes
pela presença da tua partida.