sábado, 22 de janeiro de 2011

Com a pressa dos esquecidos
ele fareja
meus sapatos
cansados.

penso no percurso
da tarde
de afeto
do cão
que saca
o que sinto

com todo o sentimento do mundo,
fixo meus olhos nos seus

olhos desdenhosos
que me enchiam de certeza

nunca, para qualquer ser,
fui tão desimportante.