quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Só ela sabia encontrar a memória alheia no meio das pilhas de papel inútil. Organizava em ordem alfabética quando descobriu aquela carta carregada de obscenidades. Cega de malícia, abriu o decote e arquivou suas intenções ali mesmo.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

Arrumava seu colarinho quando contou sobre seu último namorado. Cafajeste, ordinário, dizia Virgínia enquanto empapava com lágrimas sua camisa branca, recostada em seu ombro rígido. Acalmou-se e terminou de abotoá-lo. Pediu desculpas, despediu-se e fechou seu caixão.