quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Se não fosse o café amargo, ela jamais teria admirado o inverno que entrava pelos vãos da cortina azul crochê, muito menos ido até o parapeito com ar de donzela-noir-saudosa-dos-bons-tempos-que-viriam. Se não fosse o café exalando vazios, sua blusa não teria sido tão rapidamente manchada e ela não veria o pires de porcelana estilhaçado na calçada. Se fosse chá, doçuras ou o futuro que estivessem – segundos antes – naquela janela, eu jamais a teria visto.
Claro, nada disso eu sabia. Se tivesse prestado menos atenção no pires, talvez. Tão rápido, mas era quase possível enxergar aquelas firulas pintadas à mão que sendo estilhaçadas no chão. Imaginei aqueles olhos serenos descendo afoitos cada degrau até abrirem a porta de ferro e virem direto ao encontro dos meus.
- Cê tá bem? Ela diria.
– A-ham, to sim. Eu responderia, com o olhar mais dolorido que conseguisse lançar.
Mas não, não ela. Vi seus olhos sorrindo, gracejando de mim, parado na calçada com cara de não-sei-o-quê. Idiota, idiota. Ela deve ter pensado que você é uma dessas pessoas que se impressiona com pires estilhaçados, que lamenta os cacos da fina louça portuguesa como se tivessem apagado uma parte da história humana.

sábado, 15 de dezembro de 2007

Dasjustificativasqueagenteusaparaaliviaressesmomentostirânicosondesuspirarpradentroacabasendoa únicavontadepermitida:

Não se pode fazer nada sem a solidão (Pablo Picasso).





É. Nada.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

mas tchê

mas... tchê!

sábado, 8 de dezembro de 2007

velhas virgens

me senti uma azeitona triturada na sua boca.




(ê sabedoria.)
Mas já disse que sonhos e fantasmas estão muito longe de exprimir sempre o desejo escondido de um ato real, muitas vezes eles se bastam, são a realização acabada de um desejo que só reclama satisfação imaginária.

Falou aquela menina que já desde os 9 anos era sisuda, impostada como a saia amarrotada da professora.
Os coleguinhas, que só não eram mais tirânicos por causa das espinhas, comentavam: tinha que ser a Beauvoir.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

finaldesemestreenãodátemposequerderespir ar.